top of page
  • Imprensa

Nigéria: uma visão geral da sua nova Lei de Direitos Autorais de 2022 - um novo marco.

Escrito por Ademola Adeoluwa , Ifeoluwa Ebiseni e Nenjom Asuk


INTRODUÇÃO


17 de março de 2023 inaugurou um novo regime para o espaço de direitos autorais na Nigéria. O Presidente da República Federal da Nigéria assinou a Lei de Direitos Autorais de 2022, que revogou oficialmente a Lei de Direitos Autorais CAP C28 LFN 2004 (a "Lei Antiga") e promulgou novamente a Lei de Direitos Autorais de 2022 (a "Lei").


A Lei introduz mudanças significativas que impactarão os criativos e fortalecerão ainda mais o exercício de seus direitos, principalmente em um mundo digital. Algumas dessas mudanças incluem o reconhecimento de cópias digitais de trabalho, autorização da Comissão de Direitos Autorais da Nigéria ("NCC" ou "a Comissão") para efetivamente administrar e fazer cumprir o cumprimento de pessoas e entidades com as disposições da Lei, reconhecimento de trabalho audiovisual como passíveis de proteção de direitos autorais, titularidade de direitos morais, licenciamento de fotografia e artes, entre outros.


Embora a Lei adote a maioria das disposições contidas na Antiga Lei, ela introduz algumas disposições notáveis, que destacamos abaixo.


ELEGIBILIDADE DE TRABALHOS


A Lei mantém a disposição sobre obras elegíveis para proteção de direitos autorais, embora com algumas modificações. Notavelmente, substitui filmes cinematográficos por obras audiovisuais. 1 Isso é visto principalmente como uma melhoria em relação à nova lei, pois a definição de filmes cinematográficos é inadequada e limita sua aplicação. No entanto, as obras audiovisuais abrangem um escopo maior e têm sido descritas como uma mídia eletrônica que possui um componente sonoro e visual , como apresentações de slides , 1 filmes , programas de televisão , conferências corporativas, serviços religiosos, produções teatrais ao vivo , Web streaming, videoconferência e serviços de transmissão ao vivo.


Alguns países também reconheceram a elegibilidade dos audiovisuais para proteção de direitos autorais. Por exemplo, a Lei Francesa de Direitos Autorais reconhece as obras audiovisuais como “obras que consistem em sequências de imagens em movimento, com ou sem som”. 2 Os Estados Unidos também têm uma disposição semelhante. A Lei define obra audiovisual como "o agregado de uma série de imagens visuais relacionadas com ou sem som, que é capaz de ser mostrado como uma imagem em movimento por meio de um dispositivo mecânico, eletrônico ou outro e independentemente da natureza do material em qual as imagens visuais e os sons são transmitidos e inclui a trilha sonora, mas não inclui uma transmissão ." 3A Lei também reitera que a qualidade e a finalidade do trabalho não são fatores para determinar a elegibilidade para proteção. 4 Isso é importante, pois tem havido controvérsias sobre a elegibilidade de certos trabalhos, principalmente por criadores de conteúdo de mídia social, devido à percepção de "baixa qualidade do trabalho". Um compilador de trabalho existente não tem direitos exclusivos sobre o material ou dados pré-existentes. 5


DIREITOS AUTORAIS POR REFERÊNCIA AO PAÍS DE ORIGEM


Ao definir a concessão de direitos autorais por referência ao país de origem, a Lei revisa a disposição que enfatiza o domicílio. A Lei agora confere direitos autorais sobre uma obra se um dos autores, entre outras coisas, for cidadão ou residente habitual na Nigéria. 6 A definição de "domiciliação" tem sido debatida em vários campos, inclusive na proteção de direitos autorais. A Lei elimina esse requisito complexo, substituindo-o pela residência habitual. Abrange um mais praticável e alcançável.


POSSE DE DIREITOS MORAIS


Antes da promulgação da Lei, os direitos morais eram perpétuos e inalienáveis. Uma questão que normalmente surge nas mentes dos entusiastas do copyright é como lidar com obras em domínio público, uma vez que os direitos morais do autor ainda existem. A Lei deixa isso de lado ao afirmar que os direitos morais expirarão quando os direitos autorais de uma obra expirarem. Adicionalmente, os direitos morais passaram a ser transmissíveis por morte do autor por disposição testamentária ou de pleno direito.


RECONHECIMENTO COMO LICENCIADOS NÃO EXCLUSIVOS


Uma disposição louvável da Lei é aquela sobre obras encomendadas. A Lei permite que as pessoas que encomendaram obras restrinjam a publicação, exibição, comunicação e distribuição de tais obras, sujeitas a um acordo por escrito. Esta disposição afetará fotografias, pinturas, desenhos ou obras audiovisuais para fins privados e domésticos como licenciados não exclusivos. 7 Antes da promulgação da Lei, um fotógrafo, por exemplo, tinha o direito exclusivo de exploração (salvo acordo em contrário).


DISPOSIÇÕES RELACIONADAS AO CONTEÚDO ONLINE


A Lei faz provisões com relação a avisos de remoção de conteúdo online 8 . Antes dessa disposição, os provedores de serviços que hospedavam conteúdo protegido por direitos autorais em suas plataformas contavam com o Digital Millennium Copyright Act dos Estados Unidos da América de 1988, bem como com as disposições gerais sobre licenciamento de conteúdo contidas no Old Act como base para a remoção de conteúdo infrator hospedado em sua plataforma. No entanto, esta nova disposição fornece uma abordagem mais direta e detalhada para lidar com infrações em plataformas digitais.


Também estabelece um procedimento para remoção e restabelecimento do conteúdo 9 e reparação para uma pessoa insatisfeita com a determinação ou ação de um provedor de serviços. 10 Além disso, um provedor de serviços que não notificar imediatamente o assinante responsável pelo conteúdo para o qual um aviso de infração foi emitido ou remover o conteúdo infrator de sua plataforma passará a ser responsável por violação de dever legal e violação de direitos autorais do mesmo medida como o infrator real 11 .


A Lei também contém regras para suspensão de uma conta que viole repetidamente os direitos autorais de terceiros, bem como o procedimento para contestar uma alegada infração consistente. 12 A Lei não define o que constitui infração reincidente. Assumimos que os provedores de serviços serão livres para determinar o que constitui violação repetida em suas regras de moderação de conteúdo.


A Comissão também tem o direito de bloquear ou desabilitar o acesso a qualquer conteúdo, link ou site hospedado em um sistema ou rede que acredite razoavelmente infringir direitos autorais. 13


DIREITOS DO EXECUTOR


A Lei dá aos artistas o direito exclusivo de controlar a fixação e reprodução (de uma fixação) de suas apresentações ao vivo. As condições de controle exclusivo sobre a reprodução de uma fixação só se aplicam quando 14

  1. uma fixação original foi feita sem o consentimento do intérprete;

  2. a reprodução for feita para fins diferentes daqueles que o artista intérprete ou executante consentiu em relação à fixação original ou de uma reprodução; ou

  3. a fixação original foi feita ao abrigo do disposto no artigo 68.º 15 , e a reprodução é feita para fins não abrangidos por essas disposições.

Como corolário do acima, os Artistas têm direitos exclusivos para controlar a distribuição e acessibilidade de suas apresentações fixas e não fixas ao público. Isso inclui a venda ou transferência de cópias de suas obras fixas, a transmissão de suas apresentações (a menos que já tenham sido transmitidas) e a disponibilização de suas apresentações fixas ao público por meios com ou sem fio, permitindo que os indivíduos acessem a qualquer hora ou local que escolherem.


A Lei também prevê que, na ausência de um acordo expresso em contrário, o consentimento de um artista para transmitir sua performance será considerado como incluindo seu consentimento para uma retransmissão autorizada da mesma, a fixação para fins de transmissão e a reprodução para fins de transmissão de tal fixação. 16


Essa inclusão é particularmente importante, pois a transmissão ao vivo de apresentações ganhou popularidade durante o bloqueio do COVID-19 e continua a crescer. No entanto, os artistas precisam entender que, com base nas disposições da seção 65 da Lei, considera-se que o consentimento para transmissão ao vivo inclui direitos de retransmissão. Assim, se os artistas desejarem conceder apenas direitos de transmissão e não direitos de retransmissão, essa limitação deve ser estabelecida por meio de um acordo contratual. Eles também devem especificar claramente o escopo dos direitos concedidos, pois isso constituirá uma infração, conforme estabelecido na seção 63(b)(ii) onde tal escopo for excedido. A seção também inclui os direitos exclusivos dos artistas para fazer upload de sua performance fixada em plataformas de streaming 17. Os promotores que contratam artistas com a intenção de reter direitos exclusivos sobre apresentações fixas devem estar atentos ao definir seus direitos exclusivos em relação a essas apresentações.


Os direitos morais também são fornecidos para artistas, o que implica que os direitos de execução são um subconjunto especial de direitos autorais distintos dos direitos autorais típicos que existem em uma obra. A seção prevê a inalienabilidade do direito, exceto por disposição testamentária, bem como o direito de identificação como intérprete, em conexão com o uso da execução e os direitos contra mutilação, distorção ou modificação da execução ou fixação sem a autorização do intérprete consentimento. 18 Os direitos de execução têm uma duração de 50 anos a contar do final do ano da primeira fixação. 19


Performances Coletivas


Quando vários artistas participam da mesma apresentação como um grupo, o consentimento para a transmissão pode ser obtido do responsável pelo grupo. O pagamento também pode ser feito a essa pessoa. 20 Isso significa que os artistas de um grupo precisam decidir contratualmente quem é seu homem-chave para qualquer apresentação. Eles também devem concordar com seus deveres para evitar possíveis conflitos na administração de seus direitos em relação à transmissão ao vivo de suas apresentações.

A duração dos direitos dos artistas é de 50 (Cinquenta) anos. 21 A Lei criminaliza a violação dos direitos do artista. Ele estabelece uma multa de N100.000 (Cem Mil Nairas) ou prisão por um ano, ou ambos para pessoas físicas e N2.000.000 (Dois Milhões de Nairas) para pessoas jurídicas. 22 De acordo com a Lei Antiga, as multas eram de N10.000 (dez mil nairas) e N15.000 (quinze mil nairas), respectivamente.


ALTERAÇÕES AOS PODERES DA COMISSÃO NIGERIANA DE DIREITOS AUTORAIS


Sob a nova Lei, o NCC recebeu poderes quase judiciais. A Lei confere ao NCC o poder de investigar e corrigir casos de violação de direitos autorais e resolver disputas de direitos autorais, quando essas disputas não tiverem sido explicitamente reservadas para solução nos termos da Lei. 23 Além disso, a Lei concedeu à Comissão certos poderes, que devem incluir:

  1. para processar, conduzir ou defender perante um tribunal qualquer acusação, informação, queixa ou outro processo decorrente da Lei

  2. cobrar os encargos ou taxas razoáveis ​​pelos serviços e instalações prestados pela Comissão;

  3. regulamentar e implementar medidas para promover a proteção dos direitos autorais;

  4. regulamentar a condução da gestão coletiva de direitos; e

  5. exercer os poderes inerentes a qualquer um de seus objetos sob a Lei.

A Comissão tem poderes para manter um registo de obras, tal como no antigo regime; no entanto, tem poderes para fazer o seu Regulamento para efeitos de registo e registo de obras. 24


ORGANIZAÇÕES DE GESTÃO COLETIVA


As Sociedades de Coleta sob a antiga Lei foram renomeadas como Organizações de Gerenciamento de Coleta (CMO), com um escopo expandido. Passa a incluir o direito de emissão de licenças que permitem a utilização de obras de titulares de direitos de autor que não sejam membros da OCM, desde que:

  1. essas obras são da mesma categoria que as obras para as quais é aprovado para emitir licenças;

  2. os proprietários dos direitos autorais de tais obras não são representados por nenhuma outra CMO;

  3. não haja mais de uma OCM aprovada para operar na categoria específica de obras em questão;

  4. os titulares dos direitos autorais de tais obras não tenham, mediante notificação por escrito à OGC, optado por não participar da gestão coletiva de seus direitos; e

  5. a OCM não discrimina tais proprietários em termos de tarifas de uso de suas obras e pagamento de royalties a esses proprietários.


CONCLUSÃO


A Lei de Direitos Autorais de 2022 é um desenvolvimento bem-vindo no espaço da Propriedade Intelectual da Nigéria. O reconhecimento do conteúdo digital online e gerado pelo usuário está particularmente atrasado. Prevemos o uso dessas disposições por autores e criadores de conteúdo, bem como a interpretação dessas disposições pelos tribunais em caso de disputas. Louvavelmente, a Lei também revisa todas as multas previstas na antiga Lei. Para estar em conformidade com as atuais realidades econômicas e financeiras, os legisladores devem estar atentos à tecnologia em rápida evolução e promulgar leis que acomodem o avanço tecnológico. Esperamos uma revisão abrangente de outras leis de propriedade intelectual por meio de políticas e processos legislativos.



notas de rodapé

1. Seção 2(1)(d) da Lei

2. Artigo L112-6

3. Seção 108 da Lei

4. Seção 2(3) da Lei

5. Embora isso não seja novo, é importante destacar isso à luz dos tipos emergentes de obras não contempladas na Lei Antiga.

6. Seção 3(b) da Lei

7. Seção 28(3) da Lei

8. Seção 54 da Lei

9. Seção 55 (1) e (2) da Lei

10. Seção 55 (4) da Lei

11. Seção 55(6) da Lei

12. Seção 56 da Lei

13. Seção 62 da Lei

14. Seção 63 da Lei

15. A Seção 68 estabelece que, quando um artista consentir com a inclusão de sua execução em uma fixação visual ou audiovisual, a Seção 65 desta Lei deixará de se aplicar em relação à execução.

16. Seção 65 da Lei

17. Seção 63 (1) (d) da Lei

18. Seção 66 da Lei

19. Seção 70 da Lei

20. Seção 67 da Lei

21. Seção 70 da Lei

22. Seção 73 da Lei

23. Seção 78 (c) da Lei

24. Seção 87 da Lei

bottom of page