top of page
  • Imprensa

Plágio ou uso de elementos comuns? A batalha judicial pelo Reggaeton de 1989

Notícias traduzidas por BLF.

 

Você pode copiar um ritmo? Por dentro do processo de reggaeton que pode abalar o mundo pop

Escrito or Saxon Baird. The Guardian. Leia íntegra em https://www.theguardian.com/music/2023/mar/22/can-you-copyright-a-rhythm-inside-the-reggaeton-lawsuit-that-could-shake-the-pop-world

Com o lançamento de sua música Fish Market em 1989, a dupla jamaicana Cleveland "Clevie" Browne e Wycliffe "Steely" Johnson inadvertidamente mudou o curso da música pop. A faixa apresentava o primeiro exemplo conhecido do que viria a ser conhecido como um ritmo "dembow" – a batida percussiva, levemente sincopada, que viajou do reggae para se tornar a batida de assinatura do reggaeton, hoje o som conquistador mundial do pop latino-americano.


Agora, mais de 30 anos após o lançamento de Fish Market, a Steely &Clevie Productions está processando três dos mais célebres hitmakers do reggaeton – El Chombo, Luis Fonsi e Daddy Yankee – pelo que caracterizam como interpolação ilegal do ritmo (ou "riddim") do Fish Market, e estão buscando o crédito – e royalties – que dizem merecer desde o início.



O processo da Steely & Clevie Productions cita 56 músicas, incluindo alguns dos maiores sucessos do reggaeton, como Despacito, de Fonsi e Yankee, colaboração de Justin Bieber e Gasolina do Yankee, muitas das quais acumularam centenas de milhões, ou mesmo bilhões, de streams. Uma série de artistas e co-escritores também são apontados como réus no processo, incluindo Bieber, Stefflon Don e o cantor porto-riquenho em ascensão Rauw Alejandro, bem como editoras e gravadoras. (Representantes de Bieber e Stefflon Don se recusaram a comentar; o Guardian entrou em contato com representantes de Alejandro.)


Uma vitória para Steely e Clevie pode ter enormes implicações não apenas para o reggaeton, mas para a música pop em geral, que tem buscado cada vez mais inspiração na música latino-americana na última década. Milhares de outras músicas que usam um ritmo dembow podem ser consideradas uma violação de direitos autorais, e esta ação também pode estabelecer um precedente para futuras reivindicações de direitos autorais com base em ritmos pop fundamentais.


Na Jamaica e na América Latina, a reutilização e amostragem de faixas instrumentais sem medo de serem levadas à Justiça é prática comum. "A cena underground de San Juan [em Porto Rico] que deu origem ao reggaeton foi inspirada na tradição do sistema de som da Jamaica de usar instrumentais populares para impulsionar novas apresentações locais ao vivo", diz Wayne Marshall, etnomusicólogo especializado em música de dança social na Berklee College of Music, em Boston.


Quando o reggaeton estava se desenvolvendo, ele tinha pouco valor econômico, e poucos de seus progenitores tinham ideia de que um dia se tornaria uma das forças mais significativas do pop global. Agora, o reggaeton é uma indústria multibilionária: Bad Bunny, atualmente a maior estrela do gênero (que também se ramificou em outros estilos), é o artista mais ouvido globalmente no Spotify há três anos consecutivos.

"Uma vez que o reggaeton se torna um dos gêneros mais populares do mundo, produzindo algumas das músicas mais lucrativas do século 21, isso coloca em questão se a mesma licença criativa deve se aplicar a mercadorias no valor de milhões de dólares", diz Marshall.

De fato, Browne e Anika Johnson (esta última representando o espólio de Wycliffe Johnson, que morreu em 2009), afirmam que Fonsi, Chombo e Yankee "nunca buscaram ou obtiveram uma licença, autorização ou consentimento" para usar o ritmo que se originou no Fish Market, e que eles "continuam a explorar e gerar receita e lucros com as obras infratoras". Browne e Johnson pediram um julgamento com júri para sua ação legal


A alegação sugere que o sucesso do hit Dem Bow de Shabba Ranks de 1990 – que incluiu o uso legal do ritmo do Fish Market, creditando Steely e Clevie como co-escritores – inspirou outros artistas a copiar o ritmo. Browne e Johnson alegam que os artistas citados no processo teriam tido acesso ao Fish Market por causa de sua ampla disponibilidade, e que também teriam tido acesso a Bobo General e Sleepy Wonder's Pounder, outra música de 1990 cujo ritmo Browne e Johnson dizem ser "substancialmente semelhante, se não virtualmente idêntico" ao do Fish Market.


Embora os ritmos não sejam geralmente protegidos pela lei de direitos autorais nos EUA, um ritmo pode ser protegido por direitos autorais se puder ser provado que é substancialmente único ou original. Os advogados de Fonsi, respondendo à ação de Browne e Johnson, negaram "que toda ou qualquer parte de (...) Mercado do Peixe é original ou protegível", e alegou que "nenhuma resposta é necessária". Representantes de El Chombo nos direcionaram para um vídeo em seu canal no YouTube em que ele fala extensivamente sobre a história e as composições do reggaeton. Representantes do Daddy Yankee não responderam ao pedido de comentário do Guardian.


Para Katelina Eccleston, historiadora do reggaeton e criadora da plataforma Reggaeton Con La Gata, a tradição de reutilização na cultura riddim não deve excluir os artistas de receberem créditos de composição. "Isso já vem de muito tempo", diz. "Não é preciso um cientista para ver como [o Fish Market] foi usado, amostrado e trocado no reggaeton."


Eccleston vê o caso como enraizado em uma hierarquia racial de longa data que se estende por todas as Américas, onde aqueles com pele mais clara – a maioria das maiores estrelas do reggaeton – geralmente recebem maiores privilégios. Na visão de Eccleston, isso se estende à Jamaica, onde grande parte da população tem uma tez mais escura do que as dos países vizinhos da América Latina. Gêneros jamaicanos como dancehall e reggae, diz Eccleston, são populares em todo o mundo, mas carecem de paridade econômica com o reggaeton.


"As pessoas que estão ganhando milhões com essa música estão vivendo em um nível diferente das pessoas que escreveram a música originalmente", diz ela. "Todo mundo quer música e cultura jamaicanas, mas não quer ter certeza de que os jamaicanos possam comer."


O advogado de direitos autorais de Nova York, Paul Fakler, que não está envolvido com o caso, diz que Browne e Johnson foram estratégicos com seu pedido de um julgamento com júri. "Uma das principais coisas na lei de direitos autorais é que as ideias não são protegidas, mas expressões únicas de ideias são", diz ele. "Então, muitas vezes, quando você tem esses casos de direitos autorais indo para júris, você pode obter resultados malucos."


Fakler observa que quando um juiz e um júri são confrontados com os meandros da teoria musical, o veredicto muitas vezes se torna menos sobre a música e mais sobre a história por trás dela. Ele cita o caso Blurred Lines de 2015, no qual um júri considerou Robin Thicke e Pharrell Williams culpados de infringir os direitos autorais de uma música de Marvin Gaye de 1977, como um divisor de águas nas reivindicações de direitos autorais pop.


"O resultado não foi necessariamente sobre qualquer coisa que fosse relevante, mas sobre os elementos da história", diz Fakler. "Isso pode ter uma maneira de colocar um júri contra você quando eles têm que sentar na caixa e decidir quem está certo e quem está errado e quem é crível e quem não é crível."

Gregor Pryor, advogado especializado em entretenimento e mídia, diz que Browne e Johnson podem estar enfrentando uma batalha difícil – em parte porque os réus provavelmente "terão uma infinidade de defesas contra violação de direitos autorais à sua disposição, o que tornará o argumento dos demandantes mais difícil de provar (...) Os autores terão que provar que o réu realmente ouviu, ou poderia razoavelmente presumir-se que ouviu, a música dos autores antes de criar a música supostamente infratora", diz ele.


Pryor diz que é difícil provar que alguém teve conhecimento prévio de uma música, o que significa que os tribunais terão que considerar a popularidade de uma música. "O uso de linguagem como 'fundacional' e 'icônica' sendo usada [no processo] para descrever os instrumentais são tentativas iniciais de sinalizar sua popularidade e mostrar que o acesso teria sido provável", diz ele. "Se esse ponto é bem-sucedido ou não, dependerá da capacidade dos demandantes de demonstrar que a obra foi tão popular quanto sugeriram, o que pode ser desafiador."


Grandes gravadoras, tentando preventivamente evitar processos de direitos autorais, começaram a creditar artistas que não estavam envolvidos com a criação de uma música quando uma faixa mais nova tem uma semelhança com uma música mais antiga. Recentemente, Olivia Rodrigo deu créditos de composição para membros do Paramore e Taylor Swift por duas músicas em seu álbum de estreia; em 2016, Beyoncé creditou o Animal Collective em uma de suas músicas devido a uma leve semelhança lírica com sua canção de 2009, My Girls.


É improvável que tal estratégia tenha ocorrido com Fonsi, Chombo e Yankee quando eles começaram a cunhar hits. Em breve, pode caber a um juiz e júri decidir se eles são responsáveis por pagar o que muitos veem como uma dívida há muito atrasada. "Este foi o maior elefante na sala desde a criação da música", diz Eccleston. "Quando o dinheiro chegou à mesa, foi aí que as coisas mudaram."

 

Escrito por Dani Mallick.


107 dos quase 170 réus da ação de direitos autorais da Steely e Clevie Productions entraram com três moções nesta quinta-feira (15) para arquivar o caso.


Os três documentos judiciais da Califórnia, obtidos pela DancehallMag, revelam a principal defesa dos réus: os elementos de bateria e baixo supostamente pirateados do riddim Fish Market de 1989 de Steely e usados em quase 1.700 músicas de Reggaeton são comuns e não estão sujeitos à proteção de direitos autorais sob a lei dos EUA.


Segundo eles, os produtores jamaicanos – Cleveland 'Clevie' Browne e as propriedades dos falecidos Wycliffe 'Steely' Johnson e Ephraim 'Count Shelly' Barrett – não podem reivindicar a propriedade dos elementos musicais básicos que definem quase toda a música Reggaeton criada nos últimos 30 anos.


A primeira moção foi apresentada pela WK Records, Pitbull's Mr. 305 Inc., Yandel Wisin, Maluma, Myke Tower e outros nove réus responsáveis por 376 músicas citadas no processo.

Esses réus fizeram uma analogia intrigante: o ritmo do Reggaeton, argumentam, é semelhante às características definidoras e fundamentais de outros gêneros musicais – dos "down beats" do Reggae aos quatro acordes padrão do Rock (E, B, C menor e A), e até mesmo aos padrões rítmicos recorrentes encontrados na música Salsa


"Os demandantes reivindicam a propriedade de todo um gênero de música básica central - o 'ritmo do 'reggaeton' baseado em elementos musicais comuns, simples, rotineiros e inprotegíveis, que nada mais são do que batidas comuns de notas únicas", escreveram em sua moção para rejeitar o caso.


O astro porto-riquenho Bad Bunny e sua gravadora Rimas Music, responsável por 77 músicas citadas no processo, apresentaram defesa semelhante.


Em sua moção de rejeição, eles argumentaram que o processo de Steely e Clevie "busca indevidamente monopolizar praticamente todo o gênero musical Reggaeton para si mesmos, reivindicando a propriedade de direitos autorais de certos elementos de composição musical legalmente irrelevantes e/ou improtegíveis".


Eles citaram casos precedentes em que "os tribunais têm sido consistentes em achar que o ritmo [resultante de padrões de bateria e baixo] é improtegível".


Os réus da WK Records e da Bad Bunny pediram ao tribunal que arquivasse o caso, alegando que nenhum júri razoável poderia encontrar as 1.700 músicas substancialmente semelhantes ao "velho e obscuro" Fish Market de Steely e Clevie.


Enquanto isso, a terceira moção de destituição foi apresentada por Luis Fonsi, Justin Bieber, Daddy Yankee, Pitbull, Rauw Alejandro, El Chombo, Jason Derulo, Enrique Iglesias, Ricky Martin, Stefflon Don e outros 79 réus, que são representados por Pryor Cashman LLP.


Atualização: Desde que este artigo foi publicado, os seguintes réus, que não são representados por Pryor Cashman LLP, assinaram a moção de destituição do escritório de advocacia.

  • Drake e Sound 1.0 Catalogue LP (processado indevidamente como OVO Sound LLC)

  • DJ Snake e Empire Distribuição, Inc

  • Cinq Music Group, LLC e Cinq Music Publishing, LLC

  • Rich Music, Inc.

  • DJ Nelson e Jay Wheeler

Eles argumentaram que Steely e Clevie estavam tentando obter "a propriedade de todo um gênero de música, reivindicando direitos exclusivos sobre o ritmo e outros elementos musicais inprotegíveis comuns a todas as canções no estilo "reggaeton".


Eles também disseram que o processo deveria ser julgado improcedente por inúmeras razões processuais, incluindo a alegação de que a Steely & Clevie não tem legitimidade para reivindicar reivindicações de violação para qualquer um dos instrumentais supostamente derivados baseados no Mercado de Peixe.


A denúncia de 228 páginas da Steely & Clevie, cuja primeira versão foi apresentada em 2021, traçou a trajetória através da qual quase todo o Reggaeton supostamente se apropriou de elementos de versões derivadas do Fish Market original. Tudo começou com o fato de que Dem Bow (1990), do Shabba Ranks, produzido pelo falecido Bobby 'Digital' Dixon, havia usado a batida do Fish Market do Poco Man Jam do vocalista jamaicano Gregory Peck, uma das faixas de 1989 do riddim original de Steely e Clevie.


Em 1990, após o sucesso da canção de Shabba, Denis Halliburton, também conhecido como "Dennis the Menace", criou o Pounder riddim - um remake do instrumental de Dem Bow, que foi então usado para gravar uma versão cover em espanhol da canção, intitulada Ellos Benia - e uma mistura instrumental chamada Pounder Dub Mix II.


Ellos Benia foi lançado na gravadora Shelly's Records.


Pounder Dub Mix II, Steely & Clevie afirmou, "é substancialmente semelhante, se não virtualmente idêntico ao Fish Market" e "foi amostrado amplamente no Reggaeton e é comumente conhecido e referido como o Pounder riddim".


No entanto, os réus Luis Fonsi e Justin Bieber rebateram que as reivindicações de direitos autorais de Steely e Clevie só poderiam se estender ao Fish Market e às letras de Dem Bow, para as quais eles têm registros de direitos autorais válidos nos EUA. Eles alegaram que Steely e Clevie não tinham registros de direitos autorais para a gravação de som do Dem Bow, o Pounder riddim, e só garantiram o registro para a gravação de som do Pounder Dub Mix II em março de 2023, dois anos após o ajuizamento da ação.


As regulamentações dos EUA exigem o registro de direitos autorais antes que um processo seja iniciado, argumentaram.


Todos os 107 réus sugeriram que o tribunal marcasse audiências sobre os pedidos em setembro de 2023, ou em algum momento depois.


As 1.700 músicas em questão no processo foram lançadas entre 1995 e 2021, e acumularam dezenas de bilhões de visualizações no YouTube e muitas certificações RIAA Platinum e Latin Platinum nos Estados Unidos.


Eles incluem Drake's One Dance com Wizkid e Kyla; Mia de Drake e Bad Bunny; Despacito Remix de Luis Fonsi com Justin Bieber e Daddy Yankee e seu Échame La Culpa com Demi Lovato; Dame Tu Cosita de El Chombo com Cutty Ranks; Durá, Rompe, Gasolina e Shaky Shaky do Papai Yankee; Taki Taki do DJ Snake com Selena Gomez, Ozuna, Cardi B; Nós Somos Um de Pitbull (Ole Ola); e muito mais.


O caso de Ed Sheeran é semelhante?


Em 2022, o cantor pop britânico Ed Sheeran apresentou uma moção para rejeitar o processo de direitos autorais movido contra ele por alegações de que sua música Thinking Out Loud havia roubado progressões de acordes harmônicos de Let's Get It On, de Marvin Gaye. Os advogados de Sheeran, Pryor Cashman LLP (sim, a mesma empresa que representa Fonsi, Bieber e outros contra Steely e Clevie), admitiram que as músicas tinham progressões de acordes semelhantes, mas argumentaram que os acordes são genéricos e podem ser usados por qualquer pessoa.


Um juiz dos EUA negou a tentativa de Sheeran de arquivar o caso, decidindo em vez disso que um júri deveria decidir sobre as semelhanças entre sua música e a do falecido cantor da Motown. O juiz citou "divergência entre especialistas musicais de ambos os lados do processo como motivo para ordenar o julgamento civil".


De acordo com a BBC, a ideia de um julgamento com júri era algo que Sheeran não desejava, já que os advogados de direitos autorais muitas vezes argumentaram que não apenas os jurados têm dificuldade em entender as complexidades da lei de direitos autorais, mas também não são necessariamente uma prova de plágio".


Em maio de 2023, o júri finalmente considerou Sheeran não responsável por violação de direitos autorais, informou o Guardian.






Comments


bottom of page